8 em 10 brasileiros pagam mais, mas não trocam de loja

DANIELLE BRANT

Pesquisa do SPC Brasil mostra que 51% dos consumidores não pesquisam antes de comprar nem pechincham

A grande maioria dos brasileiros não troca de local de compras mesmo que esteja pagando mais caro pelos produtos. Ê o que mostra pesquisa do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) obtida com exclusividade pela Folha. De acordo com o levantamento, realizado em dezembro do ano passado, apenas 24% dos consumidores trocam de supermercado por causa do preço.

Além disso, a grande maioria (51,1%) não pesquisa preço antes de comprar. A pesquisa indica ainda que, ao comprar, quatro em dez não tentam barganhar desconto e apenas 20,4% costumam guardar dinheiro para comprar os produtos à vista.

“Isso reforça a ideia de comodismo. O consumidor está acostumado com aquele local e não troca, mesmo que isso signifique pagar mais”, avalia José Vignoli, educador financeiro do SPC Brasil.

“Hoje há várias formas de pesquisar preço, a própria internet ajuda. As vendas estão ruins, o que abre espaço para barganhar desconto. E mesmo assim ele não pechincha”, complementa.

Por não pesquisar o preço, o consumidor fica muito à mercê do que ele chama de “achismo”. “Ele acha que está barato, mas se baseia em suas memórias, e não em fatos concretos. Acaba fazendo bobagem por causa disso”, diz o educador financeiro.

DESCONTROLE A pesquisa mostra que 45,8% dos consumidores não controlam o orçamento. maior dificuldade, para 37,9%, é a falta de hábito. Além disso, o fato de não verem qualquer vantagem em anotar os gastos é motivos desistência para 18,5%.

Outra dificuldade é o uso do crédito. Muitos utilizam cheque especial e cartão de crédito como extensão da renda. Segundo o levantamento, 15,7% dos que estão no vermelho reconhecem que usam todos meses o limite nessas duas linhas de crédito para fazer frente às contas.

Como consequência, 33% não sabem o valor das prestações que têm para pagar no próximo mês, enquanto 29,1% desconhecem inclusive a renda total que receberão no mês seguinte.

“O consumidor acaba aprendendo pela dor. Você tem uma geração que se acostumou com crédito e consumo fácil. Para pais e avós, tudo era mais difícil. Eles pensavam antes de tomar atitudes. De um tempo pra cá, tudo ficou fácil”, avalia o educador financeiro.

O risco, afirma Vignoli, é o consumidor jogar a toalha e desistir de colocar as contas em dia. “Não adianta se apavorar. Tem que chamar a família, reunir todo mundo e colocar ordem no negócio”.

O primeiro passo para reverter o descontrole financeiro é fazer um raio-x dos gastos e ver o que pode ser cortado. Isso não fica só nas pequenas despesas do dia a dia – no cafezinho ou no cinema uma vez por semana- , mas também inclui rever TV por assinatura e aluguel, se consumir muito da renda.

 

Fonte: Folha de São Paulo

Sistema CNDL

Sistema CNDL